Fintechs na LATAM, é apenas o começo

Todos sabem que a América Latina está se tornando um paraíso para as startups de Fintech. Os Neobanks, bancos que operam 100% online e permitem aos usuários acessar e realizar transações financeiras, começaram a surgir em todos os países da América Latina nos últimos anos. Até mesmo os governos desses países estão incentivando o crescimento dos bancos Neo, reduzindo as regulamentações do setor bancário e baixando os custos de licenciamento.


O Nubank é um exemplo desse tipo de banco e está ganhando popularidade em vários países, tais como Brasil e México. O Nubank permite que seus clientes administrem seus negócios financeiros inteiramente on-line. Aproximadamente 35 milhões de pessoas requisitaram o cartão de crédito gratuito do Nubank, apenas no Brasil.

Semelhante ao Nubank, a Albo é uma empresa mexicana que possibilita que seus clientes se conectem à rede Global Mastercard e lhes permite fazer pagamentos através do seu aplicativo online.


O surgimento destes neobancos também está impulsionando a inclusão financeira em muitas regiões não desenvolvidas da América Latina. Estes serviços estão oferecendo serviços bancários aos não-bancários e sub-bancários através de seus serviços de fácil acesso.


Mesmo os pagamentos digitais estão crescendo na região da América Latina devido aos neo-bancos, carteiras digitais, faturas eletrônicas, etc. A crescente demanda por pagamentos digitais por parte de consumidores e empresas está impulsionando o crescimento e a adoção de soluções de pagamento digital. Ainda assim, existem alguns desafios se eles quiserem realmente crescer. A fraude nos pagamentos digitais e a falta de confiança são alguns dos principais obstáculos para o crescimento da adoção do pagamento digital. Estas são as principais razões pelas quais muitos usuários ainda usam o sistema bancário tradicional. Medidas de segurança estão sendo tomadas para reduzir a atividade fraudulenta. Por exemplo, muitos governos da América Latina estão usando a biometria para ter transparência e diminuir as fraudes, mas é uma mudança lenta. Até mesmo soluções de pagamento on-line estão tomando medidas preventivas contra ataques cibernéticos.


O boom das FinTechs na América Latina também pode ser indicado pela alta taxa de adoção de cryptomoedas. Muitos países como Venezuela, Brasil e Argentina estão oferecendo as cryptomoedas como alternativa para transferir dinheiro, pagar por mercadorias e investir. Pode ser uma boa opção para as pessoas que vivem em países com uma alta taxa de inflação. As oportunidades para pagamentos digitais na região da América Latina são enormes. É por isso que as empresas que já oferecem serviços de pagamento digital a seus clientes estão mais inclinadas a ver um aumento em seus lucros. Os analistas em todo o mundo estão de olho em como as instituições financeiras na América Latina estão se adaptando. Eles estão entusiasmados ao ver que tanto os bancos privados como os bancos públicos estão adotando práticas flexíveis para motivar os clientes a se cadastrar.


A América Latina certamente se tornou um lugar de destaque para as FinTechs em todo o mundo. Não poderia haver um momento melhor para uma start-up ou empresa da FinTech entrar no setor de serviços financeiros desta região, embora a concorrência seja alta, o futuro deste mercado é promissor. Até mesmo os governos estão trabalhando para atrair os players de FinTech ao redor do mundo para seus respectivos países. Sem mencionar que os bancos estão se modificando para não perder parte do mercado. Eles estão trabalhando duro para serem inovadores e ainda transmitir a imagem de uma empresa financeira confiável, estes dois pontos, combinados com uma melhor experiência do cliente, podem realmente estabelecer um novo cenário na concorrência na América Latina para ver quem vai dominar o mercado financeiro. Bancos tradicionais ou as emergentes Fintechs, quem vai ganhar essa briga?

Teremos que esperar para ver.